[ad_1]

Diariamente, inúmeras mulheres sofrem com o ressecamento vaginal, que é a diminuição da umidificação natural, o que resulta na perda da elasticidade. Mas, até elas procurarem ajuda médica, a fim de solucionar o problema, enfrentam uma série de situações: ardor, desconforto e constrangimento interior, portanto, “vergonha”, não apenas dela mesmo, rotineiramente, mas também, na relação sexual.

Geralmente, isso acontece quando perdem a hidratação da mucosa vaginal, que se relaciona aos níveis hormonais. A Dra. Cristiane Costa, ginecologista, acrescenta que no puerpério, ocorre um declínio abrupto dos hormônios estrogênio e progesterona, ligados, diretamente, a essa hidratação. “Por causa dessa queda, a vagina fica ressecada, o que provoca dor durante o sexo, infecção urinária de repetição, etc. No pós parto, associamos ao cansaço, à má qualidade do sono e outros”.

Ressecamento. “Qualquer uma pode passar por isso, até mesmo as virgens. As alterações hormonais se dão por diversos motivos: climatério e menopausa; anticoncepcionais, doenças de tireóide, ovário policístico, inclusive, maus hábitos, como a alimentação desregrada e o estresse”.

Precaução. “Cada mulher reage de forma diferente. No entanto, o ideal é cuidar da vagina, prevenindo-a, do mesmo jeito que fazemos com o rosto, com o uso do botox. No meio ginecológico, utilizamos laser vaginal, skin booster, etc”, explica a Dra.

Tratamentos. “Existem algumas possibilidades terapêuticas, porém é necessário identificar a razão do ressecamento. O ‘padrão ouro’ na menopausa é ajustar os níveis hormonais, realizando a reposição dos hormônios. Com pós parto, contra indicação ou falta de desejo para reposição hormonal, há hidratantes vaginais, todavia, são abandonados com o tempo, e a eficácia, é de acordo com as aplicações. Agora, para uma forma mais eficaz, rápida e duradoura, o laser vaginal, ultrassom microfocado ou radiofrequência. Essas tecnologias regeneram a mucosa vaginal e ao estimular colágeno e regeneração tecidual, a vagina volta a hidratação e a elasticidade de antes”, finaliza.

[ad_2]

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *