[ad_1]

No Brasil, infelizmente, ainda é muito difundida a ideia de que saúde mental é algo que “pode esperar”, “não é prioridade” e que pessoas com questões como depressão e ansiedade poderiam “se esforçar mais”, “tentar aguentar”, etc. Isso quando outras questões como dificuldades no sono, estresse no dia-a-dia e problemas de atenção ou memória não são simplesmente ignorados e colocados embaixo do tapete. Felizmente vemos que esse quadro está começando a mudar e as pessoas estão passando a se importar mais com sua saúde mental, algo essencial para sua qualidade de vida.

Apesar disso, existe um outro grupo de pessoas. Pessoas que sofrem com as dificuldades impostas por um transtorno mental e que tem seu bem-estar impactado em virtude dele. A partir disso, buscam ajuda indo a um neurologista, a um psiquiatra, a um psicólogo… Depois de tantas intervenções vem uma triste percepção: sua saúde mental não melhorou, ou melhorou pouco, estando ainda longe dos níveis ideais. Nesses casos então, o que fazer?

BUSCA POR TRATAMENTOS EFETIVOS

O primeiro ponto a ser levantado aqui é a questão da busca por tratamentos verdadeiramente efetivos, ou com grandes possibilidades de serem efetivos. Para muitas desordens, sobretudo no campo dos transtornos de humor e estressores, não basta ir a um psiquiatra e passar a fazer uso do medicamento indicado. A sobrecarga continuará presente. Os pensamentos que levaram o sujeito a um quadro depressivo também não mudarão. O que ocorre é que o cérebro passa a funcionar de um jeito a mascarar isso por conta das reações químicas provocadas pelos remédios.

Isso é ruim? Não. E muitas vezes é bastante necessário para fornecer um bem-estar inicial que proporcione ao indivíduo a capacidade de buscar outras formas de ajuda. No entanto, estacionar no uso de uma medicação e tornar-se dependente dela também não parece ideal (lembrando que existem casos e casos, e que nunca se deve interromper o uso de uma medicação prescrita sem antes consultar-se com seu médico!).

Nesse momento, entra o papel do profissional da psicologia e do processo de psicoterapia. Ele será útil justamente para trabalhar essas questões de ordem mental que não serão acessadas pelos medicamentos e poderá proporcionar o bem-estar no longo prazo. No entanto, aqui surge uma nova pergunta: como saber se a abordagem psicológica com a qual estou me tratando será efetiva para aquilo que busco?

Isso sem dúvidas é fundamental. Uma abordagem desconectada com as demandas do cliente certamente deixará a desejar na jornada de melhora e evolução que ele busca, podendo, inclusive, não contribuir para a efetividade do tratamento.

Quando se está falando em transtornos de humor como a depressão ou mesmo transtornos relacionados a estressores, a Psicologia Baseada em Evidências (PBE – um campo da psicologia preocupado em indicar as melhores intervenções psicológicas segundo o método científico, afirmando a eficiência e efetividade delas) crava que a melhor metodologia a ser empregada é a TCC, ou Terapia Cognitivo-Comportamental. Portanto, para pessoas que lidam com esses transtornos, tem-se que essa abordagem definida é a que, com base em amplos estudos, pode trazer a melhora clínica mais indicada.

Caso você não se lembre de ter passado por uma intervenção pautada nessa abordagem, isso certamente pode ser revisto na busca por um novo tratamento psicológico. Além disso, para questões de saúde mental como as citadas, evite buscar tratamentos psicológicos com terapeutas, coaches e outros profissionais que não sejam graduados em psicologia e possuam carteira ativa no Conselho Regional de Psicologia.

INTERVENÇÕES COM BASE NA NEUROCIÊNCIA

Além disso, uma busca que pode auxiliar nesse processo é por metodologia de intervenção em saúde mental que realmente façam uso e baseiem-se nas neurociências. Se entendemos que a fonte desses transtornos é justamente o cérebro, então faz sentido que as intervenções também olhem para ele.

Hoje em dia, após anos e anos de extensa pesquisa, podemos contar com diversas práticas que unem psicologia e neurociência de forma a oferecer uma intervenção efetiva para questões de saúde mental como as citadas no primeiro parágrafo deste texto. As terapias de neuromodulação como a estimulação magnética transcraniana e a estimulação transcraniana por corrente contínua são dois bons exemplos e podem ser aplicadas pro profissionais de saúde mental como psiquiatras e alguns psicólogos.

Outro bom exemplo, sobretudo por ser mais acessível e propiciar uma rotina mais adequada de intervenção (as estimulações acima costumam ser caras e exigir sessões diárias) trata-se da neuromodulação autorregulatória por EEGq em tempo real, ou, para ficar mais simples, Neurofeedback.

O Neurofeedback é uma metodologia que, a partir da análise do padrão de funcionamento elétrico do cérebro (via eletroencefalografia, ou EEG) poderá condicionar esse cérebro a funcionar de uma forma mais adequada aos objetivos do cliente, combatendo os sintomas dos transtornos diretamente na fonte e fazendo com que se diminuam eventuais comportamentos indesejados. Dentro desse modelo de intervenção, o cliente passa por uma média de 30 ou 40 sessões realizadas de 2 a 3 vezes na semana, podendo inclusive, contar com um processo de psicoterapia para potencializar os resultados.

Pesquisado largamente desde os anos 60, sobretudo nos EUA e Europa, o Neurofeedback conta com diversos benefícios ao tratamento de transtornos mentais como a ansiedade, o estresse cotidiano, a depressão, transtornos relacionados ao sono e à aprendizagem. Além disso, tem sua efetividade comprovada para intervenção em casos de TDAH e Epilepsia.

Quando já se foi ao psiquiatra, ao psicólogo correto e já se “tentou de tudo” quanto a um tratamento em saúde mental, pode ser realmente interessante buscar uma intervenção em neuromodulação, como o Neurofeedback. Para isso, basta buscar um profissional da psicologia de sua região que ofereça esse trabalho e agendar uma consulta para saber mais. Nela, o profissional e você poderão entender, juntos, se essa é a melhor intervenção e poderá te ajudar a conseguir os resultados buscados.

[ad_2]

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *